Buscar
  • Fernanda Oliveira

A OSTEOPOROSE E AS FRATURAS Conheça os riscos e previna-se

Atualizado: 15 de Set de 2020

1 em cada 3 mulheres e...

1 em cada 5 homens...

Acima de 50 anos sofrem uma fratura devido a osteoporose.

Pessoas maiores de 60 anos apresentam maior risco de osteoporose do que pessoas mais jovens.

No entanto, é possível que a osteoporose ocorra mesmo em pessoas jovens, porque existem outros fatores de risco.

A doença aumenta muito o risco de fratura, mesmo após uma pequena queda ou colisão.

As mais comuns ocorrem nos ossos da coluna, quadril, punho e parte superior do braço.

Porém, outros ossos também podem se fraturar. Um osso quebrado leva a outro.

Noventa por cento das fraturas de quadril, que são as mais graves e perigosas, ocorrem como resultado de uma queda.

As pessoas com fraturas de quadril com frequência necessitam da ajuda de cuidadores e sofrem a perda de independência física.

Menos da metade recuperam o seu nível funcional anterior.

Aproximadamente 20-25% das pessoas que sofrem uma fratura de quadril morre em menos de um ano.

Quando a osteoporose afeta os ossos da coluna, frequentemente há dor, perda de altura e postura recurvada.

A boa notícia é que pode ser tratada se diagnosticada precocemente.

Continue lendo, conheça um pouco a sobre a osteoporose e descubra se você possui os fatores de risco para essa doença.

  • O que é osteoporose

  • Causas

  • Fatores de risco

  • Diagnóstico

  • Tratamento

  • Prevenção

  • Faça um teste e descubra se tem fatores de risco

  • A fisioterapia e a osteoporose

O QUE É OSTEOPOROSE


Osteoporose significa osso poroso.

Nossos ossos estão vivos. Desde que nascemos eles vão crescendo e se fortalecendo, atingindo o pico aos 20 anos.


À medida que envelhecemos começa a ocorrer uma perda óssea, mas novas células são produzidas. Nas pessoas com osteoporose a perda supera o crescimento de novos ossos.


Isto faz com o que os ossos fiquem porosos, quebradiços e propensos a fraturas.


CAUSAS


A osteoporose ocorre por um desequilíbrio entre a perda e a reposição de minerais na dinâmica da manutenção dos ossos, por fatores ambientais e genéticos.

SINTOMAS


A osteoporose é uma doença silenciosa, não possui sintomas. A pessoa não sabe de sua condição até a ocorrência de:

· fraturas – principalmente em vértebras e em ossos como o fêmur; dores nos ossos e nas articulações;

· diminuição da altura e alteração na estrutura do ombro (que fica mais curvado para a frente).

FATORES DE RISCO

  • Fratura óssea após os 50 anos

  • Perda de altura de 3 cm ou mais, coluna encurvada

  • Menopausa precoce

  • Baixo peso - IMC menor que 19

  • Condições médicas associadas à osteoporose

  • Imobilidade

  • Medicações associadas à osteoporose

  • Histórico de pai ou mãe com fratura de quadril

  • Baixo consumo de cálcio

  • Baixa exposição solar

  • Estilo de Vida Sedentário

  • Tabagismo e/ou alcoolismo


Fratura óssea após os 50 anos


Qualquer pessoa que tenha sofrido uma fratura depois dos 50 anos, após uma simples queda, deve fazer uma avaliação para verificar se tem Osteoporose.

Perda de altura de 3 cm ou mais, coluna encurvada


Se você perdeu mais de 3 cm, este pode ser um indício de que sofreu fraturas nas vértebras (coluna) causadas pela osteoporose. As fraturas da vértebra podem provocar curvaturas na coluna ou uma corcunda.

Menopausa precoce


Mulheres pós-menopáusicas e aquelas que já sofreram a retirada dos ovários ou que tiveram menopausa precoce antes dos 45 anos, devem prestar maior atenção à sua saúde óssea.


A perda óssea acelerada se inicia depois da menopausa, quando o efeito protetor do estrogênio fica reduzido.


Para algumas mulheres, uma terapia de reposição hormonal pode ajudar a reduzir o ritmo da perda óssea, quando iniciada antes dos 60 anos ou até 10 anos depois da menopausa.

Baixo peso - IMC menor que 19


O índice de massa corporal é a relação entre o peso e a altura na seguinte fórmula:

Um IMC abaixo de 19 é indicativo de baixo peso.

Estar abaixo do peso pode levar a níveis mais baixos de estrogênio em meninas e mulheres, situação semelhante à pós-menopausa, o que pode contribuir para o desenvolvimento da osteoporose.


Ao mesmo tempo, pessoas frágeis correm maior risco de fratura.

Condições médicas associadas à osteoporose

  • Artrite reumatoide

  • Problemas nutricionais/ gastrointestinais (Doença de Crohn etc.)

  • Doença renal crônica

  • HIV

  • Doenças hematológicas/tumores malignos (inclusive cânceres de próstata e de mamas)

  • Certas doenças hereditárias

  • Estados hipogonadais (Síndrome de Turner/Síndrome de Klinefelter, amenorreia etc.)

  • Desordens endócrinas (diabetes, síndrome de cushing, hiperparatiroidismo.)

Imobilidade


Grandes períodos de imobilização. Os exercícios são importantes para a formação e fortalecimento dos ossos.


Medicações associadas à osteoporose


  • Glicocorticosteroides – por via oral ou inalados (por exemplo para asma, artrite)

  • Certas drogas imunossupressoras (calmodulina/inibidores da fosfatase calcineurina)

  • Tratamento hormonal para a tiroide (L-Tiroxina)

  • Certos hormônios esteroides (acetato de medroxiprogesterona, hormônios agonistas liberadores de hormônio luteinizante)

  • Inibidores de aromatase (utilizados em tratamentos de câncer de mamas)

  • Certos antipsicóticos

  • Certos anticonvulsivantes

  • Certas drogas antiepiléticas

  • Lítio

  • Inibidores da bomba de prótons


Histórico de pai ou mãe com fratura de quadril

A genética, o estilo de vida e a dieta contribuirão para o seu pico de massa óssea e para o ritmo da perda óssea em idade avançada.

Se um dos seus pais sofreu uma fratura, especialmente de quadril, você tem mais chances de ter osteoporose.

Baixo consumo de cálcio

O cálcio é fundamental para a formação óssea.

Baixa exposição solar

Pouca exposição ao sol pode causar deficiência de vitamina D.

A vitamina D se forma na nossa pele a partir da exposição aos raios ultravioletas do sol.

A vitamina D é essencial para a saúde dos ossos, na medida em que ajuda o corpo a absorver o cálcio.

É encontrada em poucos alimentos.

Estilo de Vida Sedentário

Os adultos que têm um estilo de vida sedentário perdem massa óssea

mais rapidamente.

Tabagismo e/ou alcoolismo

Fumar aumenta o risco de fraturas no quadril em até 1,8 vezes.


As pessoas que bebem mais de 2 unidades de álcool por dia têm um risco 40% maior de sofrer uma fratura osteoporótica, quando comparadas com pessoas que tomam álcool em quantidades moderadas ou que não bebem.

DIAGNÓSTICO


O médico irá avaliar os fatores de risco e poderá indicar um exame chamado Densitometria Óssea.


O exame é rápido, indolor, não invasivo e de baixa radiação.

O aparelho - densitômetro - mede a densidade óssea no quadril e na coluna.

TRATAMENTO

• Uso de medicamentos indicados pelo médico.

• Suplementos de cálcio e vitamina D a critério médico.

• Manutenção de um ambiente seguro para se reduzir o risco de quedas.

• Exercícios de sustentação de peso e fortalecimento muscular podem ser recomendados para ajudar a manter os ossos, aumentar a força muscular e melhorar o equilíbrio.

Os tratamentos reduzem o risco de fratura de quadril em até 40%, de fraturas da coluna vertebral entre 30 e 70% e de fraturas não vertebrais entre 30 e 40%.

Reabilitação do idoso


O processo de reabilitação no idoso deve ocorrer de forma sutil e gradativa.

O período compreendido entre a restrição do paciente ao leito e o retorno ao movimento de marcha (caminhada) é crítico e deve ocorrer o mais breve possível.


A capacidade física também é afetada, pois a atrofia muscular aumenta rapidamente e a recuperação será mais lenta, quanto mais longo for o período de imobilidade.


Devem ser realizados exercícios ativos e passivos ainda no leito, os quais progridem assim que possível para atividade em cadeira de rodas e finalmente para caminhada.


Em grande parte, a reabilitação do idoso depende de sua motivação, de alterações neurocomportamentais, inclusive de memória ou de humor pré-existentes ao trauma, bem como das dificuldades psicológicas decorrentes especificamente do acidente.

TESTE DE RISCO DE OSTEOPOROSE


19 perguntas simples que vão lhe ajudar a entender como está a saúde dos seus ossos – teste elaborado pela IOF (Fundação Internacional de Osteoporose)

Fatores de risco que você não pode mudar!

São aqueles fatores de risco que não se pode modificar, porém não significa que se deva ignorar. É importante conhecer os riscos de maneira a poder tomar as medidas adequadas para reduzir a perda de mineral ósseo

1. Seus pais já foram diagnosticados com osteoporose, ou sofreram alguma fratura após uma queda leve, sem importância?

2. Seu pai ou a sua mãe tem ou tiveram cifose dorsal, mais conhecida como “corcunda”?

3. Você tem 40 anos ou mais?

4. Já fraturou algum osso após uma simples queda depois de adulto?

5. Você cai frequentemente (mais de uma vez ao ano) ou tem receio de cair devido à fraqueza?

6. Você perdeu mais de três centímetros de altura após 40 anos de idade?

7. Você está com baixo peso - IMC < 19 kg/ m2 (mulheres) ou <20 kg/m2 (homem)?

8. Já fez uso de medicamentos à base de corticoides (cortisona, prednisona ou dexametasona) por mais de três meses consecutivos (corticoides costumam ser recomendados no tratamento de asma,

artrite reumatoide e outras doenças inflamatórias)?

9. Já foi diagnosticado como portador de artrite reumatoide?

10. Já foi diagnosticado com hipertireoidismo ou hiperparatireoidismo?

Para mulheres:

11. Entrou na menopausa antes dos 45 anos de idade?

12. Sua menstruação foi interrompida por mais de 12 meses consecutivos por algum motivo diferente de gravidez, menopausa ou histerectomia?

13. Seus ovários foram removidos antes dos 50 anos, e você não fez reposição hormonal?

Para homens:


14. Já sofreu de impotência, perda da libido ou outros distúrbios relacionados a baixos níveis de testosterona?

fatores de risco que você pode mudar

Fatores de risco causados por uma dieta inadequada ou maus hábitos.

15. Você consome álcool em excesso ou acima dos limites recomendados (mais de duas unidades por dia)?

16. Você fuma ou já fumou cigarros?

17. Sua cota diária de exercícios é inferior a 30 minutos (incluindo trabalhos domésticos, jardinagem, caminhadas, corridas etc.)?

18. Você evita, não gosta ou é alérgico a leite e seus derivados (queijos, iogurtes etc.), sem tomar nenhum tipo de suplemento à base de cálcio?

19. Você fica menos de 10 minutos por dia ao ar livre com parte de seu corpo (braços e pernas) exposto ao sol sem ingerir alimentos ou suplementos ricos em Vitamina D?

Para entender as suas respostas:

Se respondeu SIM a qualquer uma das perguntas do teste, isso não significa que você tenha osteoporose.

Respostas afirmativas indicam que você apresenta fatores de risco clinicamente provados para desenvolver osteoporose e fraturas.

Consulte o seu médico.


PREVENÇÃO

Embora a perda óssea possa ser acelerada por algumas condições fora do seu controle , há certas medidas que você pode tomar para ajudar a prevenir e lutar contra esta doença “silenciosa”

1. Faça exercícios regularmente. Exercícios com pesos, para fortalecer os músculos e treinar o equilíbrio são os melhores.

2. Tenha uma dieta rica em nutrientes saudáveis para os ossos

Cálcio, vitamina D e proteína são os mais importantes para a saúde dos ossos. A exposição ao sol em horários seguros contribuirá para a obtenção de vitamina D suficiente.

3. Adote um estilo de vida de hábitos saudáveis para a saúde. Mantenha um peso saudável, evite fumar e tomar bebidas alcoólicas em excesso.

4. Descubra se você tem fatores de risco e converse sobre eles com o seu médico.

A FISIOTERAPIA E A OSTEOPOROSE

A cura da fratura, ou a consolidação do osso é afetado pela osteoporose.

Cirurgia pode ser considerada pelo médico uma opção muito arriscada.

A cura da fratura, ou a forma como o osso foi consolidado afeta o resultado do tratamento fisioterapêutico

Pode não haver recuperação total dos movimentos.

Dor e mobilidade restrita levam à deterioração na qualidade de vida, dependência de cuidadores, incapacidade para executar as atividades diárias, sentimento de isolamento e depressão.

Por outro lado, a fisioterapia pode ajudar na prevenção, com exercícios de fortalecimento muscular e equilíbrio.



Fernanda Oliveira

Fisioterapeuta em Belo Horizonte

Conheça mais sobre o meu trabalho


IR PARA O SITE



Fontes

https://www.iofbonehealth.org/ - Fundação Internacional de Osteoporose (IOF)

https://sbot.org.br/ - Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia

https://www.reumatologia.org.br/ - Sociedade Brasileira de Reumatologia



#osteoporose

#problemasnacoluna

#alteraçõesnacoluna

#fraturas

#fisioterapiaortopédica

93 visualizações